22 de dez de 2008

Luminária Solar!


Fonte: Sun Jar, site SUCK UK, 2008.

É NATAL!!

Estarei de férias e o blog também! Mas deixo essas luminárias solares para iluminar as nossas festas e o nosso ano de 2009!

Fabricadas na Inglaterra, ganharam o prêmio de melhor presente no ano de 2007. Funcionam com energia solar e carregadas durante o dia podem ser usadas à noite sem utilização de energia elétrica convencional!

Práticas, bonitas e ecológicas! Conheça no site o funcionamento, os modelos e as formas de adquirir a sua! Felizes Festas!! Volto em 2009!

SUCK UK

20 de dez de 2008

TFG 2008 | UNIP Campinas

TFG_2008

Chegamos ao final de mais um TFG lá em Campinas. Assim que for possível publico com mais detalhes a produção dos alunos em benefício da cidade. Veja no álbum algumas imagens do grande dia!

4 de dez de 2008

Defensible Space | Oscar Newman


Fonte: capa do livro em www.defensiblespace.com, 2008.

Aproveitando que o boletim da Revista Eletrônica Vivercidades traz neste mês o artigo "Desenho Urbano e Criminalidade - Oscar Newman 36 anos depois", de Michael Lewyn, destaco neste tópico os links para o artigo em português (e com imagens do Brasil) e a versão original publicada no site Planetizen em Outubro de 2008.

Oscar Newman (1935-2004) foi um arquiteto e planejador urbano americano que escreveu em 1970 o livro "Defensible Space", onde analisa a questão da criminalidade relacionada às características do projeto urbano em conjuntos habitacionais.

No livro o autor aponta, entre outras coisas, que as altas densidades urbanas não estão diretamente relacionadas à incidência de crimes, que as ruas serão mais seguras na medida em que houver mais movimentação nelas e que as portarias dos edifícios, assim como os acessos às residências devem localizar-se junto às ruas criando movimentação e mais responsabilidade sobre seu uso.

Link para o artigo original.

Link para o artigo em português.

Link para o site Defensible Spaces de Oscar Newman.

27 de nov de 2008

Referências gráficas


Acesse minha pasta pública com imagens de painéis e pranchas de concursos. Use-as como referência para as suas criações!

25 de nov de 2008

Paper Space x Model Space

Dicas para recordar o uso do paper space no AUTOCAD:


1. Faça seus desenhos normalmente no Model Space (escala 1:1)

2. Clique na aba Lay-out.

3. Usando a ferramenta viewport crie uma "janela" na aba lay-out.

4. Jogue a viewport num layer que você depois possa ocultar na plotagem para que o mesmo não fique visível.

5. Para dar escala a este desenho utilize o comando ZOOM > S

6. Escolha a escala desejada usando o parametro 1000/25 XP onde 25 é a escala desejada e XP é um sufixo obrigatório.

7. Clique Enter e verá seu desenho na escala desejada.

8. Para editar dentro da viewport clique duas vezes sobre ela.

9. Desta forma você pode montar quantas pranchas quiser, cada uma com uma escala e desenhos específicos.


Usando o recurso do PAPER SPACE você pode visualizar como ficará a plotagem! Experimente, é muito fácil!

24 de nov de 2008

Entrevista JO COENEN | Revista AU 1998

Apesar de já ter completado 10 anos de sua publicação, ainda considero muito útil e atual o que nos conta o arquiteto holandês Jo Coenen à respeito de sua formação, da arquitetura na Holanda, de sua atuação profissional e sua opinião sobre algumas cidades Brasileiras. Tomei o cuidado de reproduzir a entrevista no blog para garantir o acesso permanente a ela! A entrevista original encontra-se no site da revista AU.

AU A Holanda é conhecida por sua paisagem urbana equilibrada, pelas políticas de arquitetura restritivas e uma tradição de controle estético que sempre leva em conta o interesse social. Seu trabalho se confronta com essa tradição?

JC É difícil falar de mim mesmo. Acho que o meu trabalho tem um lado holandês. Arquitetos como Berlage, Oud e Bakema(1) não apenas projetavam prédios e edifícios, mas também se envolveram com planos urbanísticos. Berlage projetou, por exemplo, o Beurs (Bolsa de Valores) e o Diamantwerkersbond (Sindicato dos Trabalhadores de Diamantes), ambos em Amsterdã, mas também fez planos urbanísticos para a cidade. Nosso escritório faz a mesma coisa: trabalhamos com escalas diferentes, tentando cuidar de arquitetura e urbanismo ao mesmo tempo.


AU Quais foram as suas referências mais importantes?

JC Depois que me formei, foram principalmente os arquitetos de Ticino, na Suíça. Em Locarno trabalhei com Luigi Snozzi e conheci seu pensamento sobre a arquitetura e a cidade. Encontrei também Botta e Galfetti. Hoje, eles não são mais referências, tornaram-se amigos. O mesmo vale para Álvaro Siza. Estudei com James Stirling em Düsseldorf (Alemanha), logo após a minha formatura na Universidade de Eindhoven. Ele me influenciou muito. Depois de seis meses, me falou que eu já tinha estudado demais ("You are overstudied!"). Então, comecei a trabalhar, primeiro no escritório de Aldo van Eyck e, logo depois, no meu próprio escritório.

Os arquitetos de Amsterdã, Van Eyck e Herman Hertzberger, são outra referência importante. Ensinaram-me o amor pelos detalhes. Nos conjuntos habitacionais é preciso aproveitar todas as oportunidades de melhorar a qualidade, por exemplo, a entrada de luz, a vista para o entorno ou o uso múltiplo dos espaços. Esse cuidado com os detalhes faz parte da tradição holandesa de Berlage, Oud e Rietveld. Eu sempre tive muito apreço por esse envolvimento e pela racionalidade. Mas, pessoalmente, procuro a alma e a emoção do trabalho fora da Holanda: na Suíça, na Itália, em suma, na parte católica e alemã da Europa Central.


AU Como é essa relação entre a influência internacional e a tradição holandesa?

JC Esta é uma questão mais ampla. A arquitetura, que no momento chama muito a atenção no exterior, não é uma arquitetura holandesa pura. Nas décadas de 60 e 70, a arquitetura na Holanda tinha perdido o seu brilho. Arquitetos jovens tinham duas opções: viajar para o exterior para conhecer uma arquitetura inovadora ou mudar a maneira de pensar a profissão, voltando-se mais para a habitação popular, o treinamento social ou os processos políticos e de gestão. Optei pelo primeiro caminho e comecei a viajar pela Holanda e depois pela Europa, durante os anos 70-75. Na Holanda não aconteceu muita coisa; apenas a atuação do grupo Forum(2). Fui para Viena (Krier), Colônia (Ungers), Ticino e mais tarde para Portugal (Siza). Colegas holandeses da minha geração foram para outros países, trabalharam com Eisenman, Gehry; visitaram o costa oeste dos Estados Unidos e o Japão. Wiel Arets, por exemplo, trabalhou no escritório de Ando e estudou a obra de Barragán no México. De volta à Holanda, nos encontramos nas escolas, onde dávamos aulas. Trocamos experiências e informações sobre a arquitetura em outras partes do mundo. Implantamos as idéias em nossos escritórios, junto com arquitetos jovens. Foi uma época de plantar; nos anos 80 isso gerou uma safra de nova arquitetura. Outra influência muito importante foi a de Rem Koolhaas, que se graduou na escola da AA (Associação de Arquitetos de Londres) e depois passou muito tempo nos Estados Unidos. Sua influência foi mais forte na Universidade de Delft. Todos juntos, mudamos a arquitetura na Holanda. A abundância de imagens vindas de fora causou uma reação dos intelectuais, nas cidades e nas revistas. Jovens políticos começaram a promover cultura. As revistas melhoraram o nível jornalístico e a qualidade gráfica em pouco tempo. Aconteceram a Bienal de Veneza e manifestações como o AIR (Workshop de Arquitetura em Roterdã), no qual arquitetos estrangeiros como Rossi, Kleihues e Walkers desenvolveram planos para o antigo porto da cidade. Também foi uma época de concursos importantes, como o parlamento em Haia (vencido por Pi de Bruin) e o conjunto habitacional no Kruiskade, em Roterdã (primeira obra do grupo Mecanoo). Junto com inúmeros eventos e mostras, promovidos entre outros pelo Stichting Wonen (Fundação Morar) e o Droogbak em Amsterdã, órgãos posteriormente reunidos no Nai, surgiu um clima para debates sobre arquitetura e qualidade urbana. Esse período, nos anos 80, foi fundamental para ampliar e renovar o conceito da arquitetura na Holanda. Depois o "circo" de arquitetos viajantes ficou mais velho e começou a desenvolver projetos de peso. Os escritórios tradicionais fecharam ou se renovaram convidando jovens para trabalhar.


AU Esse fluxo de idéias estrangeiras também causou um reflexo, uma releitura das tradições holandesas?

JC Primeiro houve uma ruptura com a cultura dos anos 70 graças ao impulso de fora. O que mais chamou a atenção foi o lado formal, a beleza arquitetônica. De volta à Holanda, vimos a herança de Berlage, a Escola de Amsterdã (De Klerk), Oud e Van Eyck com outros olhos. Houve mostras e publicações dedicadas ao movimento moderno e a Berlage, que traziam pela primeira vez uma leitura distante, mais crítica, da velha vanguarda. O reflexo dessa redescoberta da arquitetura holandesa foi muito grande. Mais tarde, o lado social da arquitetura ganhou valor também, devido à influência de Aldo van Eyck, da Universidade de Delft e do movimento habitacional dos anos 80 e 90. Hoje, nenhum estudante sabe o que é 'estruturalismo', mas pelo menos conhece as obras-chave do movimento. Do restante, olha para Botta, Meyer, Ando. Isso principalmente em Eindhoven; Delft sempre foi mais convencional e nesse sentido mais moderna.


AU Os intercâmbios com o exterior não existem apenas no âmbito das idéias, mas se estendem para os projetos. Para os arquitetos não existem mais fronteiras. Poderia contar algo sobre sua experiência com colegas estrangeiros, por exemplo no Projecto Céramique, em Maastricht?

JC A arte não tem fronteiras e sempre os artistas viajam e levam impressões e idéias de um lugar para outro. Na Idade Média os arquitetos fizeram projetos em vários países. Neste século, Le Corbusier viajou o mundo, Berlage se formou na Suíça. Há cada vez mais intercâmbio cultural. Graças ao e-mail e aos aviões, a cultura se desenvolve numa escala mundial. Sempre procuro os maiores talentos. Em projetos como o Céramique, em Maastricht, não quero seguidores que produzem cópias. Quero trabalhar com inventores das idéias, direto da fonte. A participação de arquitetos estrangeiros é boa, enquanto os tecidos locais e sociais do trabalho e da moradia são costurados nos projetos. Apenas nos objetos isolados, como catedrais, isso não é necessário; são edifícios autônomos e cabem em qualquer lugar. Nos projetos incorporados em outras cidades, trabalho com equipes que reúnem um estrangeiro e um escritório local. Além de conseguir a melhor qualidade possível, essa prática melhora a arquitetura na região, porque os estrangeiros têm um papel exemplar e motivador.


AU Essa intensidade de contatos de arquitetos holandeses com o exterior explica o interesse internacional pela Holanda no momento?

JC Há vários fatores, como os contatos pessoais, o trabalho de instituições como o NAI e o Conselho Nacional de Arte. O resultado das odysees provocou o curiosidade dos estrangeiros. A Holanda vive um momento em que cresce a porcentagem de arquitetura crítica na produção. Os políticos e até os construtores descobriram a arquitetura. Percebem que qualidade arquitetônica aumenta o valor econômico dos projetos. Esse processo chama a atenção lá fora.


AU A Holanda é conhecida pelo controle estético e a harmonia da paisagem urbana. Todas as regras não limitam a liberdade criativa do arquiteto?

JC Sempre fiquei irritado com as regras, até o momento em que comecei a acompanhar projetos. Pensava que a Holanda deveria ter menos regras ... era organizada demais. Mas quando volto à Holanda, reconheço as vantagens da ordenação rígida. A Holanda é um país pequeno. Precisa-se pensar bem antes de fazer qualquer intervenção. Mas, não é possível resolver tudo com regras rígidas. Temos de interpretar a harmonia de uma maneira inovadora, permitindo a integração de experiências vindas de fora. Harmonia não é apenas a repetição de formas e temas; sempre há espaço para elementos novos. Visto de longe, somos orgulhosos com o equilíbrio. De dentro fica às vezes chato, rígido demais. Mesmo assim, acho que é bom manter as regras. Temos de procurar e mudar os limites dessas regras, em vez de abandoná-las.

AU Você esteve recentemente no Brasil, um país sem controle rígido das construções. Quais as suas impressões, por exemplo, de São Paulo?

JC Fui convidado pela bienal e pela revista Óculum para visitar São Paulo. Levei um susto. Nunca imaginei que uma cidade tão densa pudesse existir e sobreviver. Quando me acostumei, descobri que realmente há uma vida cotidiana na cidade. Eu percebi que contradições 'impossíveis' podem existir. Admiro isso. São Paulo é uma cidade viva. Isto é particular e inspirador. O caos da paisagem urbana pode ser compensado pela ação social. Em São Paulo sinto a necessidade de intervenção, de planejamento regional e de infra-estrutura.


AU O que achou do Rio de Janeiro?

JC Ao contrário de São Paulo, o Rio não tem a cara do comércio e da indústria, mas da topografia. Tem também uma população grande, mas a topografia quase virou um fator de sorte. Entre os morros, os vales podem se encher com urbanismo e caos, mas o relevo sempre é um limite. Essa situação tem muito charme. De certa maneira, é uma ordem. O que é realizado na Holanda com planejamento, é feito no Rio pela natureza. O Rio também comove e choca: a pobreza e as favelas são fatores dominantes na paisagem paradisíaca. Uma acusação contra a sociedade. Claro que não é culpa das pessoas. A sociedade se formou com certos defeitos, agora difíceis de superar. É como o problema das drogas na Europa. Não se pode culpar ninguém, mas existe.


AU E Brasília?

JC Fiquei muito impressionado. Enquanto o avião pousava, de repente vi aqueles esboços de Lúcio Costa realizados de verdade. Me surpreendeu e me deu nova confiança na nossa profissão. Brasília prova que o homem é capaz de fazer um discurso, um esboço, que depois pode virar até uma capital. Gostei muito das superquadras, com a divisão do transporte, o espaço verde. Não é apenas bem feito, mas funciona de uma maneira surpreendente. Outro fator deslumbrante é o cruzamento dos eixos residencial e monumental. Esse espaço não é dedicado ao pedestre. É um vazio. Mescla o espaço para sistemas mecânicos e logísticos com imagens de um ordenamento clássico do espaço, monumentalidade, perspectivas amplas e prédios importantes. Visitar Brasília é obrigatório como visitar Roma. É incrível que tão poucas pessoas, como Kubitschek, Niemeyer e Costa, fizeram a cidade em apenas três anos. Mesmo assim, não quero negar os defeitos do plano. São evidentes. O meu hotel, no centro da cidade, estava num lugar morto. No domingo, do meu quarto, não via ninguém na cidade. A tradição européia do espaço público e acessível está ausente em Brasília. Andando, descobri um pequeno shopping pós-moderno, que me salvou por um momento. Mas somente fiquei relaxado no outro lado da lagoa, num shopping muito grande, onde os brasilienses passavam o domingo. Assim, ficaram os prédios, a paisagem e o vazio como os pontos fortes de Brasília. E a falta de urbanismo como ponto negativo. No entanto, tenho total confiança que essa linda cidade dará certo. A obra de Niemeyer me comoveu tanto que comprei todos os livros sobre ele que achei. Visitei Niemeyer em seu escritório no Rio e pedi que autografasse todos.


AU Você comentou sobre os contatos internacionais dos holandeses. A Bienal de São Paulo lembra esse exemplo?

JC Senti que a bienal foi o resgate de algo que havia sido perdido, arquitetos como Oswaldo Bratke, Lina Bo Bardi, Vilanova Artigas, Rino Levi, Victor Dubrugras. Se parece com um momento na Holanda, no início dos anos 80. Temos que olhar duas gerações para trás. Claro que hoje as condições são diferentes. Não podemos construir a cidade da maneira como eles fizeram. Mas neles podemos reencontrar a força da arquitetura. As gerações passadas nos ensinam sobre nós mesmos. Isso aconteceu na Holanda e está acontecendo na Bélgica e na Alemanha também. É um processo vagaroso redescobrir a arquitetura e depois convencer e mudar a mentalidade dos empreiteiros, governos e políticos. Mas compensa.


AU E o intercâmbio entre o Brasil e a Europa?

JC Em termos de visitas, estudos, manifestações e estágios me parecem interessantes e valiosos. Na Europa, temos de aprender muito com os brasileiros, a maneira como pensam e trabalham. Não existem problemas climáticos, como na Holanda, e o clima abençoado do Brasil se reflete na arquitetura. Dá uma liberdade, uma organização espacial muito livre. O espírito das pessoas, a alegria, o prazer pela vida e o jeitinho brasileiro me atraem. Também se reflete na arquitetura, que é leve e alegre. Como a rampa na bienal de Niemeyer, reforçada por Paulo Mendes com a pintura em amarelo. Ou a rampa do Museu de Niterói, fantástica. Parece-me impossível que tenha sido criada por um arquiteto com mais de 85 anos. Com tanto potencial, daqui a 50 anos o Brasil poderá ter melhores condições que a Europa. A Europa sofre de uma overdose de organização e vai enfrentar problemas sérios. Paulo Mendes da Rocha acha Berlim uma cidade fria, demasiadamente detalhada, sem a alma de progresso. É isso que sinto nas culturas européias. Berlim é rígida demais, os projetos têm um acabamento bonito, mas não uma estrutura com movimento. O Brasil tem um potencial na sua desordem. Como Medellín e Bogotá. Os problemas são graves, o crescimento é forte. Mas existe uma flexibilidade necessária para construir identidades. Talvez isso tenha sido a principal lição do Brasil para mim.

No final dos anos 70, quando Jo Coenen surge no mundo da arquitetura, o panorama holandês já se encontrava marcado por tendências estéticas internacionais, promovidas pela abertura a profissionais estrangeiros consagrados. Havia também no país uma tendência de renovação urbana mais sensível, voltada às necessidades dos cidadãos. Coenen torna-se rapidamente figura proeminente nesse cenário, justamente num momento em que a juventude e suas atitudes vanguardistas são enaltecidas. Formado pela Universidade Tecnológica de Eindhoven, em 75, o arquiteto sedimenta seus conhecimentos ao lado de nomes de expressão com importantes projetos arquitetônicos, como a sede do NAI (Instituto Holandês de Arquitetura), em Roterdã, a Câmara de Comércio de Maastricht e conjuntos de apartamentos em Haia. Desenha vários planos urbanísticos, entre os quais o de Schilderswijk, em Haia, para o qual desenvolve também um sistema de pré-fabricação para padronizar os elementos de fachada. E o de Maastricht onde, mais recentemente, projetou a reurbanização de 40 ha que pertenciam à indústria Céramique, demonstrando ser possível criar uma síntese entre o tecido medieval da cidade e as radicais estruturas urbanas pregadas pelo Ciam. Presente com uma ampla sala na 3a Bienal de Arquitetura de São Paulo, em novembro passado, Coenen iniciou uma conversa com AU ainda no conturbado auditório onde havia proferido sua palestra. A entrevista, no entanto, foi concretizada por telefone, um mês depois. Nela, um pouco da história pessoal, das fortes relações profissionais entre os definidores da arquitetura moderna holandesa. E suas impressões do Brasil.

Notas da edição


1- H. B. Berlage (1856-1934) é considerado um dos pioneiros da arquitetura moderna. Desde o início usou formas simples, distantes de referências históricas. Sua estética prenunciou o expressionismo e a escola de Amsterdã. Foi também urbanista

Jacobus Oud (1890-1963) ligou-se desde 1916 ao movimento De Stijl, em que prevalece o funcionalismo. Como urbanista projetou três cidades operárias na Holanda.

Jacob Bakema (1914-1981) foi membro do Team X (contrário às diretrizes dos arquitetos do Ciam) e co-editor da revista Forum. Sua arquitetura sofreu forte influência dos ideais filosóficos e formais do grupo De Stijl. Também foi urbanista, intervindo principalmente em Roterdã.

2- Grupo Forum, formado por arquitetos que lançaram a revista Forum, como Hertzberger, Bakema, Van Eyck. Divulgava idéias novas sobre habitabilidade, identidade e tratamento mais humano de problemas estruturais.

PAUL MEURS

Colaboraram Ana Luiza Nobre, Haifa Y. Sabbag e Marcos de Sousa.

Imagem do Dia


makau, 2008.

Na semana passada estive em Santos aproveitando o feriado da Cosciência Negra para conhecer melhor a cidade e visitar alguns imóveis. A imagem acima foi clicada da cobertura do edifício Biarritz (Av. Presidente Wilson, 190 em José Menino).

Um show de vista para todo o sempre! Quando envelhecer quero morar aqui e caminhar todo dia por estes jardins!

CURIOSIDADE: os jardins da orla de Santos entraram para o livro dos recordes (Guiness Book) como o maior jardim de frente à orla do mundo! Tem 5335 m de extensão ou 218.800 m2 de área!

Fonte: site da Prefeitura de Santos.

22 de nov de 2008

SILODAM | Amsterdam


youtube, 2008.

Veja neste video, feito por estudantes, alguns dos conceitos-chave do projeto de habitação mais polêmico do MVRDV. Construído numa península de Amsterdam a forma do edifício faz alusão a uma pilha de containers e seu espaço interno propõe um mix de relações intersociais mesclando habitações, escritórios e espaços públicos.

20 de nov de 2008

Edifício Minneapolis | São Paulo


makau, 2008.

No último domingo fomos conhecer o Parque do Povo, aquela área enorme que fica no encontro entre a Av. Juscelino K. e a Marginal Pinheiros. No caminho, ao cruzarmos a Vila Olímpia, passamos em frente do Edifício Minneapolis do arquiteto Marcio Kogan.

Ai estão algumas imagens deste que é um dos meus preferidos entre os edificios comerciais. O prédio chama a atenção pela simplicidade com que é tratada a caixilharia em relação à estrutura (o que lhe confere a beleza)
e a curiosa e excêntrica posição dos pilares recobertos de inox que nascem do espelho dágua no piso de acesso.

Contam que esta "brincadeira" quase ilusionista já levou muita gente pra dentro da água!

Rua Ramos Batista, 198 | Vila Olímpia

17 de nov de 2008

Studio Ilex | arquitetura e paisagem


Concurso de Canela, IABRS, 1o prêmio, 2006.

Nesta semana apresento o recém lançado site do Studio Ilex, grupo dos amigos Leandro e Luciana Schenk (ex-colegas UNIP), que poucos anos atrás decidiram arrumar as malas e rumar com o studio, a filha e um novo projeto de vida para o interior! A cidade escolhida foi São Carlos, onde a Luciana acabou se tornando professora da escola onde estudei (EESC-USP) na área que ela mais domina: o paisagismo. O Leandro, que já era professor, continuou com o trabalho do Studio Ilex e foi dar aulas nas escolas de arquitetura privadas da cidade e região.

No site é possível conhecer a equipe, os principais projetos (divididos nas categorias cidade e paisagem, arquitetura e paisagem, interiores e design) e as premiações (que já são bastante siginificativas). Confira, entre outros, o projeto vencedor do primeiro lugar para uma intervenção urbana em Canela e o projeto que recebeu menção honrosa no concurso de idéias para o Elevado Costa e Silva em São Paulo (minhocão), ambos no ano de 2006.

Rua XV de Novembro, 2985 | Centro, São Carlos - SP | (16) 3372 9831

Links Relacionados:

StudioIlex

Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas


14 de nov de 2008

Blogosfera, conheça mais um!

Hoje conheci o blog "Arquetipos de Arquitetura" e me chamou muito a atenção o texto que define aquele espaço, cujo partido exponho aqui:

  • Partido

    Contra o neo-classicismo, contra os muros e grades, contra o mercado imobiliário, contra os carros blindados, contra o puxadinho e o barraco, contra o carpete de madeira, contra janelas mínimas, contra trânsito e corredores de ônibus, contra o porcelanato na sala, contra o (não)urbanismo caótico, contra maisons, palazzos e residentials, contra o condomínio, contra o subúrbio e a periferia, contra o mau-gosto e a burrice, contra a falta de cultura, por uma boa arquitetura.
Visite, frequente, assine e opine! Seja um crítico consciente e não um reprodutor do sistema! Vou deixar o link na barra lateral dos preferidos!

Blog "Arquetipos de Arquitetura"

13 de nov de 2008

Janela que vira varanda!


Fonte: blog Obvious, 2008.

O blog Obvious é a minha diversão diária entre os blogs que frequento! Lá tem assuntos relacionados à design, arquitetura, tecnologia, artes, humor, música e letras! E quase todo dia há postagens novas! Nestes dias vi esta inusitada invenção da janela que vira varanda e achei muito legal! Flexibilidade é isso ai!

Confira no blog mais sobre a bloomframe! E cadastre-se no Obvious!

10 de nov de 2008

Praça Victor Civita



makau, 2008.

Ontem fui conhecer a Praça Victor Civita que fica na rua Sumidouro bem próximo à Marginal Pinheiros. Já tinha lido à respeito e visto algumas imagens mas nada como conhecer o lugar pessoalmente! Visitando espaços como estes ficamos com vontade de que nossas cidades sejam melhor cuidadas, que ganhem mais atenção os milhares de cantos e glebas degradados, que mais parcerias público-privadas sejam organizadas e que triunfe o interesse da comunidade!

Não deixe de conhecer! Além de simplesmente passear pelo espaço também há uma rica e variada programação cultural (ontem teve contação de histórias, pela manhã aula aberta de ioga e durante a semana palestras sobre cuidados com a alimentação). Vai lá!

" A praça é um espaço de reflexão, inspiração e informação sobre as questões ambientais, a partir da reabilitação de uma área urbana degradada.

Gerida pelo Instituto Abril, em parceria com a Subprefeitura de Pinheiros, a Praça Victor Civita tem como objetivo tornar-se um ponto de alerta e referência para as questões ambientais, sem deixar de ser um espaço de integração e divertimento. Este Espaço Aberto da Sustentabilidade nada mais é do que um belo complexo dotado de equipamentos e programas de lazer, educação e cultura. A diferença com relação às praças e parques convencionais está no fato de que as atividades desenvolvidas na Praça Victor Civita fazem menção à educação ambiental.

Deste modo, ao fazer seu passeio, cooper ou ginástica, o visitante poderá refletir sobre a preservação ambiental e as formas de reabilitação empregadas na área, de forma que compreenda seu papel na preservação do planeta.

A Praça Victor Civita - Espaço Aberto da Sustentabilidade é resultado de um termo de cooperação firmado entre a Prefeitura do Município de São Paulo e a Editora Abril em fevereiro de 2007. Os primeiros esboços do projeto, contudo, datam de 2001, quando foi assinado um protocolo de intenções entre o governo municipal e a Editora, originando uma parceria para viabilizar a revitalização do terreno localizado na Rua do Sumidouro, nas imediações do Novo Edifício Abril."

Links relacionados:

Praça Victor Civita

Aparelhos de ginástica para a 3a. idade - ZIOBER

6 de nov de 2008

EXPO "Arquitetura do Medo" em Campinas

A exposição fotográfica " A arquitetura do medo" de André Gardenberg faz parte da programação do Circuito SESC de Artes e esta em cartaz no piso térreo do SESC Campinas. Grátis. Vai lá!

A escalada da violência e o medo modificam o cotidiano da arquitetura e a forma como nos relacionamos com o espaço, nas imagens da exposição é possível confirmar o que já há tempos desconfiavamos: hoje quem vive preso somos nós!

De 28 de Outubro a 30 de Novembro de 2008.
Terça a Sexta, das 8h às 22h.
Sábados, domingos e feriados das 9h30 às 18h.


SESC Campinas
Rua Dom José I, 270/333
Bonfim - Campinas/SP

4 de nov de 2008

Reformas valorizam o Largo da Batata em São Paulo


Fonte: makau, 2008.


O empresário Fernando Autran procurava um local para abrir um espaço de eventos que fosse bem localizado, de fácil acesso e com aluguel baixo. Procurou e encontrou um imóvel com essas características na Avenida Brigadeiro Faria Lima, zona sul de São Paulo. O único "problema" era a proximidade com o Largo da Batata. Sabendo do projeto de revitalização da Prefeitura e da futura estação de metrô, Autran resolveu apostar e abriu o Espaço Croco na semana passada.

"Queria um lugar que fosse perto de tudo. Aqui estou ao lado da Vila Madalena, do Alto de Pinheiros e da Marginal do Pinheiros e o aluguel tem valor razoável. Na Avenida Faria Lima, perto da Rebouças, o preço é exorbitante", diz.

As obras de revitalização do Largo da Batata, orçadas em R$ 96,4 milhões, começaram há um ano e a previsão é de que sejam concluídas em outubro de 2009. "O andamento depende das obras do metrô", explica Edward Zeppo, diretor de Obras da Empresa Municipal de Urbanização (Emurb). "Estamos tomando cuidado para não piorar o tráfego na região, que já é bastante complicado."

Mas a valorização - por enquanto de forma tímida - está apenas começando. "Há uma série de novos projetos imobiliários em andamento, atraídos pelas mudanças, que devem ser concluídos juntamente com as obras de urbanização", avalia o diretor de Estudos Especiais da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), Luiz Paulo Pompéia.

Ele acredita que os novos empreendimentos mudarão o aspecto do largo, mas a área deve manter vocação comercial. Os prédios antigos serão reformados ou demolidos e darão origem a estabelecimentos mais modernos. Segundo Pompéia, um prédio comercial será construído na Rua Pais Leme, quase no cruzamento com a Faria Lima. "Não será de alto padrão, mas de bom padrão."

O comércio popular local também deve passar por uma reestruturação visual. "Vai deixar o aspecto de feira marroquina. Será um pouco mais qualificado e poderá até atrair outras faixas de público", diz Pompéia. Grande parte dos ambulantes que trabalha no entorno já foi retirada, ficando apenas os cadastrados, isto é, os que possuem o Termo de Permissão de Uso (TPU). Mas esses serão retirados com a conclusão das obras e encaminhados para um shopping popular. No entanto, a Subprefeitura de Pinheiros ainda não sabe o local onde instalará esse centro de compras.

Calçadas alargadas

A maior circulação de pessoas deve aumentar os preços dos aluguéis, que podem até dobrar, e subir o valor de imóveis e terrenos. A facilidade de transporte público deve impulsionar a oferta de imóveis residenciais voltados para a classe média. Mas esse processo deve começar só na próxima década.

O projeto da Prefeitura prevê a transferência dos terminais de ônibus da Avenida Faria Lima para a Rua Capri, o que deve ocorrer até o fim de 2009. No local, será instalada uma estação intermodal, reunindo terminais de ônibus, estações de trem e metrô, um estacionamento e um bicicletário. O terreno da antiga Cooperativa Agrícola de Cotia (CAC) foi desapropriado e será transformado em uma praça cultural. O trecho final da Rua Cardeal Arcoverde será fechado e integrado à praça. A Rua Sumidouro está sendo prolongada e deverá cruzar a Faria Lima. Os ônibus que hoje descem pela Cardeal passarão a circular pela Sumidouro.

Os postes da praça serão retirados e os fios, aterrados, a exemplo do que foi feito nas Ruas Oscar Freire e Avanhandava. "As calçadas serão alargadas e as ruas estreitas servirão de passagem apenas de pedestres. A praça vai ganhar nova iluminação e plantio de árvores", diz o engenheiro Jaime Waisman, cujo projeto, em parceria com o arquiteto Tito Lívio Frascino, ganhou o concurso para revitalização do Largo da Batata, em 2001.


Por Mônica Cardoso, de O Estado de S. Paulo

Link para o artigo original

3 de nov de 2008

A "Ferrari" das camas!

Fonte: YouTube, 2008 e Obvious.

Veja esta cama! Mais do que um móvel para dormir, ela é um espaço multi-mídia onde o usuário controla luz, som, ambiência, vê filmes, joga games e também serve para dormir! Projeto de autoria do designer italiano Edoardo Carlino, ainda não virou objeto de consumo mas é possível que em breve possamos comprá-la nas melhores lojas de design!

28 de out de 2008

Centro Kursaal | Rafael Moneo

Video: YouTube, 2008.

Rafael Moneo, um dos grandes ícones da arquitetura contemporânea espanhola estudou em Madrid na ETSAM e formou-se em 1961. Além da atividade de projeto dedica-se à docência, tendo lecionado na escola de Arquitetura de Barcelona, em Harvard, Princeton e na Graduate School of Design.

Ganhador do prêmio Pritzker em 1996 e da Medalha de Ouro da Arquitetura em 2006 é autor de inúmeros edifícios. Sua matéria prima é a história, é com ela que o arquiteto argumenta e constrói suas obras.

O Museu de Arte e Arquitetura de Estocolmo, o Museu de Arte Romana em Merida, a Estação Atocha em Barcelona e o Centro Kursaal em San Sebastian são alguns de seus projetos mais significativos.

"O Centro Kursaal é fruto da tentativa de assimilar referências caracterizando o espírito multidisciplinar de nosso tempo: escultura, natureza, arte...através de mecanismos puramente arquitetônicos. Os volumes cristalinos ancorados na areia foram concebidos como um marco na paisagem."

Links Relacionados:

Centro Kursaal
em San Sebastian | Espanha

Rafael Moneo - arquiteto espanhol

26 de out de 2008

Igreja São Bonifácio | São Paulo


Fonte: Vitruvius, 2008.


Igreja São Bonifácio na Vila Mariana, makau, 2008.

Sempre que ia ao SESC Vila Mariana, e sou frequentora desde a inauguração em 1997, chamava-me a atenção este edifício que fica na rua Humberto I, no bairro de Vila Mariana. Do alto de uma das torres do SESC conseguia vê-lo pelos fundos e dava pra ver uma acentuada declividade no terreno apesar do volume prismático implantado num plano. Pela frente sua imponente estrutura e acabamento em concreto rústico e vidro chamavam a atenção pela ousadia e simplicidade ao mesmo tempo.

Aos poucos fui descobrindo que o edifício é uma igreja, é o Centro dos Católicos de Língua Alemã em São Paulo, chama-se São Bonifácio e celebra missas em alemão aos domingos às 10:30 am.

O edifício é misto. Mistura de templo e espaços para escritórios. O terreno apresenta um declive acentuado e debaixo da igreja localizam-se espaços de serviços. Ainda não sei qual a relação entre estes mas sigo pesquisando.

Descobri também que tal edifício é um exemplar autêntico do chamado movimento brutalista paulista da década de 60 e é projeto do arquiteto austríaco Hans Broos, nascido na Alemanha em 1921, que estudou arquitetura na Universidade de Praga na Checoslovaquia e mudou-se para o Brasil em 1954, aos 33 anos.

Especializou-se em projetos para igrejas e fábricas; acreditava serem estes espaços semelhantes: "se os operários sentem-se bem no espaço da fábrica este atua como uma comunidade, assim como nos templos." É de autoria dele o projeto da fábrica da Faber Castell em São Carlos.

Links Relacionados:

Entrevista com o arquiteto Hans Broos em 2005 (Arcoweb).

"A década ausente. É preciso reconhecer a arquitetura brasileira dos anos 1960-1970". Artigo de Ruth Verde Zein (Vitruvius).

SESC - Serviço Social do Comercio.

23 de out de 2008

Parada Cultural T-bone


Fonte: imagem do site, biblioteca nas paradas de ônibus em Brasília.

Ontem vi uma matéria no canal de TV Multi-Show que me deixou emocionada! Trata-se da iniciativa de um comerciante de Brasília para incentivar a leitura através da criação de um projeto intitulado Parada Cultural.

O projeto consiste na disponibilização de livros para leitura junto à alguns pontos de ônibus da capital. Sem necessidade de cadastrar-se ou seguir qualquer tipo de formalidade os usuários do transporte coletivo podem a qualquer momento retirar livros para ler enquanto esperam ou levá-los para leitura e devolvê-los posteriormente .

Não é demais?? A idéia é genial e parece trazer de volta a possibilidade de viver em sociedade de forma mais equilibrada, mais humana, nem sei bem que termo usar! Fico feliz em saber que alguém teve esta idéia e ela esta dando certo!

Acompanhe no link da ONG T-bone um pouco mais sobre o projeto e as matérias já publicadas sobre ele!

21 de out de 2008

Marcio KOGAN | Arquitetura


Fonte: interface do escritório de Marcio Kogan na internet, 2008.


Márcio Kogan é um arquiteto brasileiro formado no Mackenzie em 1977 e tem escritório em São Paulo. Sua produção é bastante diversa, destacando-se em áreas como a arquitetura residencial, comercial e projetos de paisagismo de pequeno e grande porte.


Estudou e dedicou-se ao cinema até os 30 anos mais ou menos o que lhe rendeu uma peculiar forma de olhar e ver o mundo a sua volta!


O site feito todo em flash é uma grande aventura que tem até manual de instruções! Funciona como um menu (uma faixa colorida) onde o usuário seleciona aquilo que deseja ver, daí basta aproximar ou afastar o mouse da faixa para mudar a velocidade das imagens!


Muito criativo e bem humorado como o próprio Marcio se mostra para o mundo!


Vale a pena ler o memorial do projeto para uma Igreja (concurso) onde ele se coloca como o autor do projeto visitando o edifício 30 anos depois de construído. Veja também o Edifício Mineapolis (escritórios) na Vila Olimpia em São Paulo, um dos meus preferidos e o o Mutant Carpet concurso feito para um parque urbano em Los Angeles onde conforme a demanda dos usuários os equipamentos podem ser usados ou escamoteados no sub-solo.

18 de out de 2008

Fases históricas da arquitetura na Alemanha


Fonte: Site da DW - World, 2008.

"Dos romanos à Idade Média. Do absolutismo à ascensão prussiana. Da expansão industrial ao ecletismo. da Bauhaus à Alemanha pós-guerra. A arquitetura na Alemanha já possui mais de dois mil anos de história. Acompanhe, lendo os nossos artigos, esta viagem através do tempo."

Conheça em maior profundidade as fases da arquitetura alemã através desta reportagem especial publicada hoje no site da DW-World. Aliás, este portal traz notícias e curiosidades da cultura alemã em mais de 30 línguas!
Vale a pena conhecer!

16 de out de 2008

Semana dos Professores


Fonte: comunicação eletrônica Cosac Naify, Out. 2008.

Nesta semana comemorou-se o Dia dos Professores! Infelizmente é bem verdade que não estamos em condição de grandes comemorações: salários baixos, pouco reconhecimento, banalização da arquitetura como profissão, desrespeito e falta de compromisso de alguns alunos, escolas "cortando" tudo o que é possível cortar, cargas horárias despencando e uma série de outras coisas que não vale a pena listar.

Mas ser professor é uma grande viagem de conhecimentos, organização e desafios. Ensinar é doar aquilo que a gente sabe um pouquinho a mais, é conduzir alguém rumo à construção do seu saber, é iluminar caminhos que ainda não se tornaram claros... e tudo isso, apesar de todas as condições, é algo que nos dá um imenso prazer!


"Mestre não é quem sempre ensina", mas quem, de repente, aprende"

Guimarães Rosa

Já pensou como seria o mundo sem professores?

Um viva à "semana do saco cheio", que dá fôlego novo a alunos e professores antes do bimestre final!

Links relacionados:

Editora Cosac Naify: para adquirir pessoalmente ou pela internet, livros de artes, design, fotografia, moda e arquitetura belos e muito bons. Descontos para professores!

Imagem da semana!


Fonte: Campinas, makau, 2008.

A imagem da semana foi clicada na UNIP Swift em Campinas algumas horas antes de iniciar minhas aulas por lá. Com a máquina sempre à mão capturo momentos sublimes como este, em que um pedaço significativo da cidade revela seu perfil pela luz de um belíssimo por do sol!


10 de out de 2008

Arquitetura Contemporânea Portuguesa


Fonte: site "Últimas Reportagens", 2008.

Neste site é possível conhecer a produção mais recente de arquitetura portuguesa através do trabalho do fotógrafo Fernando Guerra, além de artigos e publicações de referência. Imperdível! Registre-se e receba as atualizações.

6 de out de 2008

GKS | arquitetos suiços


Imagem 1: Wonuberbauung im Park, site GKS, 2008.


Imagem 2: Neubau Wohn - Und Geschaftshaus, site GKS, 2008.


Mais um escritório suiço para conhecer. O único problema é que o site não tem versão em inglês....portanto você deve se virar em alemão ou explorar a produção através dos excelentes desenhos e imagens fornecidos na área de projetos.

A imagem 1 mostra um projeto de 2005 para um edifício de habitação coletiva com 56 unidades compactas de 2 e 3 dormitórios -
WONÜBERBAUUNG IM PARK. Este projeto é ilustrado com boas imagens e desenhos. Confira!

Veja também o processo de projeto do
NEUBAU WOHN - UND GESCHÄFTSHAUS em vídeo (mostrado na imagem 2).


Site GKS.


Imagens de SAMPA em 360 graus!

Confira no site BR360 algumas imagens de São Paulo em 360 graus! Há imagens do vale do Anhangabau, Páteo do Colégio, Parque Ibirapuera, Ponte Otávio Frias (estaiada) e alguns lugares curiosos como o Sambódromo, o Bar Sujinho e a Rua Normandia no Natal!

4 de out de 2008

Google EMEA Engineering Hub em Zurique


Fonte: montagem com imagens do site WAN, makau, 2008.


Fonte: Tyre Shop / Art Exchange, site e-architect, 2008.

Recentemente recebi um email com várias imagens mostrando o interior das oficinas do Google, os espaços mais pareciam áreas de relaxamento e encontros do que escritórios! As áreas de trabalho e reunião eram lúdicas e temáticas e as pessoas pareciam trabalhar de forma muito descontraída! A ligação entre áreas afins e que mantém estreita relação ocorre em alguns casos por escorregadores que ligam os pisos!

Pois hoje ao ler o artigo de André Eichemberg e Maria Julia Barbieri, publicado no Vitruvius: "Bola, dobra, pneu, desdobra, arte, redobra, bar...Agenciamentos arquiteturais no contemporâneo", fui conhecer o trabalho do grupo suiço Camezind, autores do projeto da
Tyre Shop / Art Exchange, (uma loja de pneus que abriga uma galeria de arte no piso superior) e descobri ser deles a autoria do projeto de interiores das oficinas suiças do Google!

Vale a pena conhecer o trabalho do grupo Camezind, mesmo que não seja para deliciar-se com as imagens dos belos e inacreditáveis espaços de trabalho, reunião, encontro e circulação do
Google, que seja pelo bonito projeto do Sports Centre Buchholz em Uster e outros vários bons projetos e concursos de que participaram.

Links Relacionados:

Artigo de André Eichemberg e Maria Julia Barbieri no Vitruvius, Set/2008.

Site do grupo Camezind Evolution, Suiça.

Matéria sobre o espaço do Google no World Architecture News, Set/2008.

El Croquis 126 | Xaveer de Geyter



Fonte: site da revista El Croquis, 2008.

Para saber mais sobre a área habitacional do plano de reurbanização de Lille, o "Ilot St. Maurice" e os projetos de estudos para remodelação do "Forum Les Halles" em Paris consulte a El Croquis n. 126!

Tem também:

HOUSE NEAR ANTWERP | CHASSÉ PARK APARTMENTS | EUROPE COLLEGE IN BRUGES [POST GRADUATE SCHOOL] | MAS [ANTWERP HISTORICAL MUSEUM] | SCIENCE PARK IN LEUVEN | UNIVERSITY OF GHENT [CONVERSION AND EXTENSIONS FOR UNIVERSITY CAMPUS] | PAJU BOOK CITY / EDITOR' S HOUSE | ST. LUCAS FINE ARTS SCHOOL | NATIONAL ARCHIVES, LUXEMBOURG | HOTEL AND CATERING SCHOOL, BRUSSELS | EPFL LEARNING CENTRE | EUROPEAN PATENT OFFICE | HOUSING COMPLEX, BORDEAUX | VENLO PATIO HOUSES

2 de out de 2008

ARCHIWEB | para pesquisar projetos

O site archiweb é uma grande enciclopédia de arquitetura: tem projetos, arquitetos, notícias e em alguns casos também é possível encontrar os desenhos dos projetos. Para visualizá-los sem tarja é preciso cadastrar-se.

O site é da República Tcheca mas tem versão em inglês apesar de nem todas as matérias terem sido traduzidas! De qualquer forma é uma ótima fonte para buscar imagens e desenhos!

Essa é pra guardar!

899 logements | concursos de habitação em Paris!


Fonte: montagem com imagens do site, makau, 2008.

Se no Brasil concursos de arquitetura são raros e quase nunca levam os autores a realizar seus projetos, concursos de habitação coletiva são mais raros ainda! Os últimos de que se tem notícia são o Habitasampa, de 2003 (rua da Assembléia e Cônego Vicente Mariano) publicados no arcoweb e no vitruvius e o Bairro Novo, de 2004 recentemente comentado pelo blog the urban earth e também publicado no vitruvius. Ambos não deram em nada......Não tenho notícia se pelo menos o prêmio em dinheiro os arquitetos receberam. Vale ressaltar que participar de concursos de arquitetura é uma ótima oportunidade de lançar-se ao debate sobre questões mais estruturais das cidades e de enfrentar, às vezes, números e programas bem complexos, mas há que se dizer que a questão financeira não pode ser esquecida: gasta-se bastante dinheiro para participar!

Enquanto isso do outro lado do Atlântico......

Em Paris, no Pavillon de L´arsenal inaugura hoje uma exposição de nove concursos de habitação coletiva ocorridos no último ano. São 899 unidades habitacionais (título da exposição) feitos para edifícios que tem de 12 a 350 unidades em várias tipologias: edificações mistas, habitações estudantis, albergues temporários, habitação social etc.

Participaram dos concursos 5 agências de fomento e construção de habitação públicas (as 3 primeiras) e mistas (as últimas): Immobilière 3F, PARIS HABITAT OPH, RIVP, SIEMP, SEMIDEP; e 53 escritórios de arquitetura (confira a lista no site!).

Os projetos foram em sua maioria propostos incorporando materiais e soluções visando a economia e eficiência energética como o uso de painéis fotovoltaicos nas fachadas, uso de energia solar para aquecimento de água, telhados verdes e fundações geotérmicas.

A exposição mostra um panorama ambicioso do trabalho dos arquitetos e construtores para responder à questão central do habitat, onde as proposições premiadas desenham novas paisagens parisienses.

Quem estiver em Paris pode conferir a exposição até o dia 2 de Novembro no Pavillon de L´arsenal que fica no Boulevard Morland, 21.


De 3a. a sáb. das 10h30 às 18h30
dom. das 11h às 19h. Entrada Franca.


Links relacionados:

Emmanuel Combarel & Dominique Marrec | ECDM

Atelier Seraji

Julien de Smedt | JDS Architecture



30 de set de 2008

VEREADOR 13 633 | NABIL BONDUKI



Pessoal,

Já que este blog trata de arquitetura, cidades, urbanismo, qualidade de vida, design e cultura em geral, tomo a liberdade de sugerir-lhes uma visita ao site do candidato a vereador pela cidade de São Paulo: Prof. Nabil Bonduki nas eleições do dia 05/10/2008.

Nabil 13 633 é arquiteto e urbanista, formou-se pela FAU-USP e além de pesquisador, consultor e professor da área de planejamento urbano na USP (SP e SCarlos), dedica seu tempo e seu conhecimento em busca de melhores soluções para nossa cidade nas áreas da cultura, habitação e transportes.

Precisamos de mais profissionais como ele na Camara para promover as mudanças que São Paulo necessita!

Conheça o Nabil 13 633 e decida se ele será o seu vereador!


Visitas até as 0h do dia 03/10/2008 quando o site sairá do ar por determinação da Justiça Eleitoral! Corra lá!

Leia na íntegra o artigo "A oportunidade que São Paulo não pode perder" publicado no jornal Folha de São Paulo de 19/09/2008.

26 de set de 2008

Moradias Transitórias | EXPOSIÇÃO


Fonte: Antarctic Village - Dome Dwelling | Lucy + Jorge Orta, 2007.

Inaugurou ontem a exposição "Moradias Transitórias" no espaço térreo do SESC Vila Mariana em São Paulo:

A questão do espaço e os limites do corpo, a transitoriedade e o individual, vistos pela arte contemporânea. Obras de artistas como Lucy Orta e Jum Nakao.

Estive lá e vi instalações curiosas como uma "casa móvel" feita de caixas de madeira (com os logos ainda visíveis da GM Brasil e Argentina). A moradia é um carrinho de puxar com espaços previstos para armazenamento, para realizar e preparar refeições, áreas para dormir com alguma privacidade e até um jardim suspenso para garantir um pouco de área verde aos caminhantes!

Não espere ver muitas obras, são poucas mas vale a visita!



SESC Vila Mariana | Rua Pelotas, 141 | Vila Mariana
25/09 a 09/11/2008


3a. a 6a. das 9h30 às 21h30.
Sab., dom. e feriados, das 10h30 às 18h30.

25 de set de 2008

Density | Livro


Fonte: site a+t, 2008.

A pesquisa elaborada pela a+t architecture publishers resultou no livro "Density" de 2004, que foi recentemente recompilado de forma condensada, tornando-se um valioso guia de pesquisa na área de habitação coletiva e planos urbanos habitacionais. Este manual traz, em 448 páginas com belíssimas imagens, desenhos em escala 1/500 e detalhes em 1/20 de 68 projetos e 10 planos urbanos. Confira no link a lista de projetos e algumas imagens. Em espanhol e inglês.

VEJA AQUI algumas páginas da versão integral em PDF.

Eu tenho e é ótimo! Comprei em Paris na Moniteur!

23 de set de 2008

Burgos y Garrido | ES


Fonte: Revista Arquitetura Viva, 89-90, 2003.

A habitação coletiva é um tema pelo qual tenho bastante interesse. E sobre ele, quanto mais procuro, mais encontro projetos, arquitetos e soluções as mais inusitadas. Pena que no Brasil, de forma geral, ainda não estejamos projetando a cidade mas insistindo no modelo da torre isolada no "lote" (lotes que hoje em dia constituem-se como grandes áreas podendo chegar a ocupar toda uma quadra). Destaco os arquitetos Burgo e Garrido, de Madrid, cuja produção é diversificada mas com bastante foco na pesquisa de habitação coletiva e social madrilenha.

O projeto acima, mostrado ainda em estudo na Revista Arquitectura Viva 89-90, é um
complexo habitacional em Sanchinarro (Madrid) com 170 unidades habitacionais e, em 2008 seus autores receberam por ele o prêmio de Arquitetura e Urbanismo da Prefeitura de Madrid.

Visite o site dos arquitetos Burgo y Garrido.

21 de set de 2008

Neutelings & Riedjk Architects | Torre IJ

Neutelings & Riedijk Architects / Torre IJ from 0300TV on Vimeo.

Koolhaas Houselife


KOOLHAAS HOUSELIFE from www.theinstitute.cl on Vimeo.

Koolhaas Houselife é o filme de Ila Bêka e Louise Lemoine sobre a obra prima da arquitetura contemporânea dos últimos anos: a casa de Bordeuax projetada por Rem Koolhaas em 1998.

"Diferentemente dos filmes sobre arquitetura, este não pretende explicar o edifício, sua estrutura ou virtuosidade mas sim levar o espectador a penetrar na bolha invisível da intimidade diária de um ícone da arquitetura."

Exibido em primeira mão na Bienal de Veneza, trata de mostrar a intimidade da casa através do cotidiano da empregada Guadalupe e de outras pessoas encarregadas da manutenção do edifício. O filme faz referência direta a "Mon Oncle" de Jacques Tati. Espero que em breve possamos assití-lo por aqui! Por enquanto confiram os trailers e divirtam-se!


Pedreiro cibernético rouba a cena na Bienal de Veneza



R-O-B, "pedreiro cibernético" em exposição na Bienal de Veneza, 2008.

Confira artigo de Guilherme Aquino, do site Swissinfo, sobre a exposição da Suiça na 11a. Mostra Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza (14/09/2008 a 23/11/2008)

Os 14.961 tijolos orientados como ondas servem de divisórias para os temas centrais da exposição suíça, não por acaso, chamada de Explorações. Metodologia, Didática, Tecnologia e Rede são os quatro conceitos da mostra. Eles representam os pilares da moderna e da futura arquitetura helvética estudados pelos Politécnicos de Lausanne e de Zurique.

Um robô-operário, nominado de R-O-B, rouba a cena logo na porta de entrada do pavilhão. Ele é a ponta de diamante da Tecnologia. Imóvel ele parece dar as boas vindas a quem chega para ver de perto a sua obra prima: cem metros de paredes oscilantes e sinuosas. Elas concentram o que existe de mais moderno e de vanguarda em termos de construção civil.

Leia artigo completo aqui!

Links relacionados:

Swissinfo um portal de notícias da Suiça para o mundo em português e outras várias línguas!

O que é a Bienal de Veneza?

Site oficial da Bienal de Veneza.

19 de set de 2008

300% SPANISH DESIGN


Você sabe quem fez esta cadeira? Descubra!

Dica para o final de semana:

No SESC Paulista esta em cartaz até Janeiro de 2009 a mostra 300% Spanish Design, que apresenta as peças que contam a história da arte espanhola do séc. XX.

Cartazes, cadeiras e luminárias espalham-se por pelo menos 1000 m2 da unidade nos pisos térreo, terceiro e quarto pavimentos. Imperdível!

Aproveite para tomar um café no terraço e olhar a vista da Av. Paulista, sempre muito bonita do alto!


Onde: SESC Paulista
Avenida Paulista, 119, São Paulo, 0/xx/11 3179-3700
Quando: de 5/09/08 a 11/01/09.
De terça a sexta, das 13h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 11h às 19h
Quanto: entrada franca

Alberto Mozó | Chile


Fonte: imagem Cristobal Palma, 2007. Projeto de Alberto Mozó (BIP Computers).

Ah os chilenos!! Alberto Mozó é um arquiteto chileno com uma produção bastante diversificada: em seu portfolio constam projetos de habitações, mobiliário, escritórios e espaços comerciais. O que há em comum entre eles parece ser um conjunto de atributos como a escolha dos materiais, as técnicas construtivas a composição entre estes, os espaços gerados e a materialidade resultante desta investigação. No projeto para uma empresa de computação em Santiago (BIP) mostra que a madeira laminada adapta-se perfeitamente ao conceito de transitoriedade. Visite o site e conheça este e outros projetos!

A imagem acima faz parte do portfolio do fotógrafo chileno Cristobal Palma, especializado em fotografar arquitetura. Visite o site e conheça seu trabalho!


Contato Alberto Mozó

Padre Letelier 0343
Providencia
Santiago, Chile

Fono/Fax (+56-2) 494 1928
Móvil (+56-9) 9-889 5724

Trabalho Final de Graduação (TFG)


Fonte: site, TFG de Gabrielle Damaso, 2004.

Aproveitando que lá na faculdade estamos às vésperas de mais uma entrega intermediária do TFG, selecionei um link bem apropriado para a ocasião! Divirtam-se futuros arquitetos! :-)

A FAUUSP disponibiliza um link onde é possível consultar os TFG´s realizados a partir de 2006. Vale ressaltar que nesta escola os TFG´s não se restringem à área de projeto.

A
FEC | UNICAMP também publicou, por ocasião da graduação de sua 1a. turma de arquitetos (2004), um site com os 12 TFG´s realizados naquele ano (veja aqui). Em 2007 publicou um livro muito bonito em PB com o resumo dos TFG´s realizados em 2004 e 2005 (tiragem de 1000 exemplares), o qual tive o prazer de ganhar da amiga e Profa. Ana Goes.

Tomara que continuem publicando os novos trabalhos e que em breve nós da UNIP também possamos ter a nossa publicação! Acredito ser esta uma excelente oportunidade para difundirmos o trabalho do arquiteto de forma mais ampla, não o deixando restrito apenas aos circulos acadêmicos!



14 de set de 2008

FREITAG FLAGSHIP STORE | ZURIQUE




Fonte: Spillmannechsle, 2008


Este curioso edifício comercial em Zurique, projeto dos arquitetos suiços Annette Spillmann e Harold Echsle situa-se em Geroldstrasse (Geroldstrasse 17, 8005 Zurich) e foi construído em 2006.

"A área de Geroldstrasse é amplamente influenciada e moldada por sua localização entre grandes eixos de tráfego. Seu entorno rarefeito contém pequenos edifícios, onde muitos terrenos baldios são usados como área para armazenamento. A presença deste edifício enriquece publicamente a área com um uso diurno. Foram usados 17 containers de carga, a maioria vindos de Hamburgo e trazidos até o local por trem. Empilhados e montados de forma tradicional utilizando-se ferramentas usadas na indústria naval. Na base situa-se a loja e a torre aparece como um marco para aquela região. O cliente é levado através da linha de produtos, até a plataforma de observação, 25 metros acima do chão, de onde se tem uma vista extraordinária da cidade de Zurique, do tráfego, do lago e das montanhas."

Fonte: site dos arquitetos
Spillmanneschle, 2008.


contato:
jupiterstrasse 26 ch-8032 zurich
mail@spillmannechsle.ch

LINKS RELACIONADOS:

Veja no blog The Urban Earth um post ótimo sobre
reciclagem de containers usados.

Site dos arquitetos
Spillmanneschle.

Conheça alguns dos projetos do grupo
LOT-EK produzidos com containers, destaque para o projeto PUMA City.